Gato: o rei da personalidade


Gato: o rei da personalidade:Eles têm ameaçado a coroa dos cães. São tão companheiros quanto os caninos, mas, não exigem atenção 24 horas e, de quebra, fazem menos barulho e sujeira

Ser o melhor amigo do homem não é mais um mérito exclusivo dos cães. A ‘honra’ do título tem passado para as mãos, ou melhor, patas de um histórico rival: o gato. Sim, justo aquele felino conhecido por gostar mais da casa do que dos donos (o que não é verdade). Muito do que se fala sobre ele é puro mito. Os aficionados por gato garantem: esse bichano também ama os protetores, é carinhoso e companheiro.
“A diferença é que, como são mais independentes do que os cães e dormem em média 16 horas por dia, eles lidam melhor com a ausência dos donos”, explica a veterinária Heloisa Justen Moreira de Souza, da Clínica Gatos e Gatos, a primeira do país dedicada exclusivamente aos cuidados desses mascotes. Mas nada disso impede que o seu gatinho siga você pela casa, queira brincar e insista em dormir na sua cama. Muita gente já descobriu isso.
Segundo Heloisa, no mercado de pets dos Estados Unidos e da Europa, a venda de gatos ultrapassam a dos cachorros. No Brasil, não há números oficiais sobre o aumento do interesse pelos bichanos, mas já existem indícios. “Antes só havia a minha clínica de gatos. Hoje, elas já somam seis, inclusive em Porto Alegre, Blumenau, Curitiba, Vitória e São Paulo”, diz a veterinária.
Eles já foram considerados bruxos e perseguidos na Idade Média e até hoje há quem passe longe de um gato preto, ou maltrate o animal, para afastar o azar. Desculpem, mas é pura superstição, sem fundamento. O amor pelos felinos aumentou a expectativa de vida deles: que passou de apenas dois anos de idade para 15 anos em média. “As clínicas veterinárias já oferecem até exames para check-up anual de gatos geriátricos (felinos idosos com mais de sete anos). Eu mesma já atendi um gatinho com 25 anos”, comemora Heloisa Justen.
Além disso, ninguém duvida que os miados dentro de casa são menos incômodos do que os latidos. “Os felinos são perfeitos, não fazem barulho e ninguém precisa levá-los para passear”, explica Heloisa. Eles também são mais higiênicos, por natureza: basta comprar caixinhas com areia sintética em qualquer pet shop. Eles nunca utilizam outro lugar para suas necessidades.

Gato: o rei da personalidade
Eles têm ameaçado a coroa dos cães. São tão companheiros quanto os caninos, mas, não exigem atenção 24 horas e, de quebra, fazem menos barulho e sujeira

Reportagem: Daniela Talamoni
Ser o melhor amigo do homem não é mais um mérito exclusivo dos cães. A ‘honra’ do título tem passado para as mãos, ou melhor, patas de um histórico rival: o gato. Sim, justo aquele felino conhecido por gostar mais da casa do que dos donos (o que não é verdade). Muito do que se fala sobre ele é puro mito. Os aficionados por gato garantem: esse bichano também ama os protetores, é carinhoso e companheiro.
“A diferença é que, como são mais independentes do que os cães e dormem em média 16 horas por dia, eles lidam melhor com a ausência dos donos”, explica a veterinária Heloisa Justen Moreira de Souza, da Clínica Gatos e Gatos, a primeira do país dedicada exclusivamente aos cuidados desses mascotes. Mas nada disso impede que o seu gatinho siga você pela casa, queira brincar e insista em dormir na sua cama. Muita gente já descobriu isso.
Segundo Heloisa, no mercado de pets dos Estados Unidos e da Europa, a venda de gatos ultrapassam a dos cachorros. No Brasil, não há números oficiais sobre o aumento do interesse pelos bichanos, mas já existem indícios. “Antes só havia a minha clínica de gatos. Hoje, elas já somam seis, inclusive em Porto Alegre, Blumenau, Curitiba, Vitória e São Paulo”, diz a veterinária.
Eles já foram considerados bruxos e perseguidos na Idade Média e até hoje há quem passe longe de um gato preto, ou maltrate o animal, para afastar o azar. Desculpem, mas é pura superstição, sem fundamento. O amor pelos felinos aumentou a expectativa de vida deles: que passou de apenas dois anos de idade para 15 anos em média. “As clínicas veterinárias já oferecem até exames para check-up anual de gatos geriátricos (felinos idosos com mais de sete anos). Eu mesma já atendi um gatinho com 25 anos”, comemora Heloisa Justen.
Além disso, ninguém duvida que os miados dentro de casa são menos incômodos do que os latidos. “Os felinos são perfeitos, não fazem barulho e ninguém precisa levá-los para passear”, explica Heloisa. Eles também são mais higiênicos, por natureza: basta comprar caixinhas com areia sintética em qualquer pet shop. Eles nunca utilizam outro lugar para suas necessidades.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: